Meta-reconstrução

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Meta-reconstrução

Mensagem  M· Diniz Nemetios em Seg Jul 25, 2011 8:20 am

Este post originalmente se encontrava no sítio Senakokredima.

Que base temos para RE-construir a religião dos povos célticos da península ibérica no período anterior e durante a ocupação romana?
Poucas e fragmentárias. No geral podemos agrupá-las do seguinte modo:

Fontes Diretas

Por Fonte Direta, refiro-me aos vestígios arqueológicos produzidos pelos próprios povos celtas da Ibéria ou por outros a mando destes. Nesta categoria englobo as aras, ex-votos, altares, santuários, disposições de necrópoles, ferramental, cerâmica, iconografia, inscrições em língua própria, etc. Para tal, estamos acompanhando as principais publicações científicas relacionadas ao mundo religioso dos Celtas da Península Ibérica e dos povos vizinhos.

Testemunhos


Por Testemunhos, refiro-me a literatura greco-romana e da alta idade média produzida por pessoas que tiveram contato direto ou indireto (tendo com a literatura escrita por quem teve) com as populações Célticas ou romanizadas da Península (em breve postaremos uma lista de autores e obras enquadradas sob esta designação).

Vestígios


Por Vestígios, refiro-me a um conjunto de eventos nem sempre associados entre si, como festas populares, contos e lendas folclóricas, expressões linguísticas, práticas e concepções que sejam pré-cristãs. Neste caso, é necessário muita cautela e estudo sério, não só pela confiabilidade das fontes, mas pelos contexto histórico da Península Ibérica, que além de romanizada, foi também invadida por povos germânicos e muçulmanos, de modo que nem tudo que é atestadamente uma prática popular pré-cristã, é necessariamente "céltica" (podendo ser romana, germânica ou mesmo árabe).

Considerado estes três pontos acima, concentramos nossas (re-)construções nos focando nos dois primeiros e tendo o terceiro como apoio geral, devido a complexidade da análise das manifestações folclóricas e pelo pouco de estudo sistemático realizado neste sentido que não seja contaminado por uma romantismo identitário que desvalide as conclusões.

Então como se RE-constrói práticas e concepções religiosas (que estão nos mais variados momentos da vida) partindo de tão poucas e tão fragmentárias bases?

No geral as reconstruções historicamente prováveis não dão conta satisfatoriamente do âmbito de uma vida religiosa, restam muitas lacunas. Estas lacunas são preenchidas minuciosamente recorrendo à concepções gerais, na seguinte ordem:

  • Culturas de mesma matriz étnica-linguística (gauleses, belgas, britânicos, goidélicos, gálatas, etc.)
  • Culturas de matriz étnica-linguística diversa mas de hábitos e cultura semelhantes e de maior proximidade geográfica ou atestadamente relacionada (via comércio, etc.)
  • Concepções gerais Indo-Europeias
  • Inspiração pessoal


No entanto, tais construções devem obedecer, preferencialmente, ao máximo de plausibilidade possível e excelência, reconhecendo honestamente sua provisoriedade e/ou função contemporânea, não afirmando que "assim era", mas que "assim poderia ter sido e nos serve hoje".

Depois trabalharemos mais este tópico.

M· Diniz Nemetios
Administrador
Administrador

Mensagens : 297
Data de inscrição : 25/03/2011
Idade : 30
Localização : Lagoa Seca, Parahyba - Brasil

http://recons-iberoceltica.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum